segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Reflexões sobre uma Pedra

Sou uma Pedra
Na água mole de uma vida dura
Que fura entre pedaços
De persistência nua e crua

O que resta de mim?
Não sei
Pergunte às outras pedrinhas
Que rolaram da antiga solidez
E deixaram seus descendentes
Refletirem mais uma vez

O que faz uma Pedra sofrer tanto?
Se no triste acalanto maternal
É abandonada de seu rochedo
E rolada para algum lugar estreito
Sem sequer explicação?

Agüentando tanto peso
De várias outras pedras
Com um mesmo sentimento
De ser apenas Pedra
E de Pedra continuar a ser

“Água mole em pedra dura
Tanto bate até que fura”
E se fura
Para que tanto sofrer?
Se de vida não é feita
O que a faz então perecer?


Leo Sousa.

5 comentários:

Carol disse...

é menino!!!
tah show de bola isso aki hein..
gostei muito da sua escrita..
desejo susseço pra ti vio!!!
^^

Deise Anne disse...

Em quantas partes nós nos dividimos pra a tender às necessidades da vida...
Deve ser por isso que sem querer a gente se parte em tantas pedrinhas...

Valeu, pela visita, Leo!
Gostei muito do seu blog.

Ah, vamos ver se a banda dá certo, né?
Eu tô com outro projeto tb. Aceitei o convite do Samyr numa tentativa de fazer um som diferente, embora o outro projeto seja prioridade.
A gente se encontra. Inté!

wictor.camillo disse...

Vou roubar essa poesia e registrar no meu nome...

uaaaaaaaaHHH

Deysilanne Sousa disse...

Nossa, gostei bastante porque vc conseguiu fazer de um clichê algo diferente e único.
Parabéns! Muito boa mesmo.
Já estou seguindo seu blog =)
Beijo!
PS.: Eu respondi teu comentário lá no meu blog, depois dá uma olhada.

Roberto Ruiz disse...

De fato, este está show de bola!

Consegui colocar-se no lugar de uma pedra não é nada fácil. Muito bom seus versos, muito mesmo!

Abraço :D